• dasilva3001

A medida da boca

A maldade é um acontecimento humano. A crueldade também. Porém, a violência é animalesca e está relacionada à ferocidade do instinto selvagem. Um homem pode ser violento, feroz, sem, no entanto, ser mal ou cruel. Diz-se que, em defesa de seus princípios, muitas vezes, o homem agiu com ferocidade deixando um rastro de destruição e violência. E todas as desgraças dessa ação podem não ter sido praticadas por maldade, ou, crueldade. Diz-se, também, que um homem não deve se acovardar perante as forças mais medonhas. Que ele precisa aceitar a provação do obstáculo com vigor, ferocidade, para superar-se. Portanto, maldade e crueldade de um lado. Ferocidade e violência de outro.


As novas gerações de pessoas têm vivido o paradoxo da transfiguração de sentidos e conceitos. Muitos valores são transvertidos e muitas convicções sofrem o desmanche da insegurança. Também há muita fusão de resíduos de sentidos em todas as ordens e direções. A exemplo disso, temos o paradigma da corrupção. Uma idiossincrasia que o indivíduo carrega e que não se apercebe. Ser corrupto não é ser violento, muito menos ser feroz. Mas, é ser mal e cruel. E o homem moderno comporta tudo isso.


Houve um tempo em que a maldade e a crueldade tinham suas raízes plantadas nas entranhas do verbo. E uma palavra seria capaz de transformar a pedra bruta em um bilhão de farelos, partículas ou resíduos. Mas, isso mudou. A palavra, não mais, pode ser verbalizada e banaliza-se pelos entremeios de discursos antagônicos voláteis. Significantes e significados são, agora, idiossincráticos. O que a palavra quis dizer, o que ela representa e sua imagem sonora são as mesmas coisas. A banalização da crueldade e da maldade está no mesmo prato da violência e da ferocidade. A ciência bebe no copo sujo do senso comum sem cerimônia.



Os acontecimentos políticos recentes, os debates sobre os paralelos da corrupção, precisam de uma intervenção violenta dos atores sociais que brigam contra a desigualdade. E será preciso rasgar a boca do mal, agindo com ferocidade, para se conseguir êxito. E contra esse mal também será preciso o uso da força cruel e malvada. Em tempos de violência social, os oprimidos têm que entender um pouco mais sobre força bruta e sentir a sua pulsação. Sair da zona de conforto e explodir no universo cheio de outras marcas de estrelas que também já tiveram seus momentos.



Conceito de força bruta sugerido: é aquela que junta energias malignas e benignas em prol de um único fim. Portanto, para esta finalidade, a luta contra a corrupção, será preciso um pacote com todos os conceitos misturados. Crueldade, Maldade, Ferocidade e Violência estão do mesmo lado. Estão no mesmo prato. Na medida da boca. É só comer.


Tenha um dia feliz!

GIUSEP K.H.


67 visualizações
NOSSO TELEFONE

(69) 99967-0085

NOSSO EMAIL
NOSSOS HORÁRIOS

Segunda a Sábado, das 08h30 às 19h.

AO LEITOR!

Nossa informação é produzida com responsabilidade e objetiva a credibilidade de nosso leitor.

PROJETO CORRENTZA

A dinâmica de produção de conteúdos da Revista Correntza é pautada na performance de intervenções artísticas e culturais. 

LINHA EDITORIAL

O projeto gráfico da Revista Correntza foi desenvolvido abraçando as novas tendências discursivas e linguagens para canais de mídias eletrônicas.

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Google+ Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon
  • Instagram Social Icon

©  2018  Ondas Nucleicas  |  Criado por  Analton Alves