• dasilva3001

A invisibilidade feminina no cenário da ocupação e transformação local

Presença da mulher ainda é ofuscada pela história com poucas citações a respeito em livros




Os primeiros habitantes a ocupar a região denominada “Flona do Jamari”, em Rondônia, estão na Amazônia há mais de 12 mil anos. São as populações indígenas. Porém, apenas por volta de 1688, através das missões jesuítas ocorreram os primeiros contatos de identificação. No século XVI, esses povos são expulsos, principalmente da região hoje denominada Rondônia. Tais fatores marcaram os primeiros imbróglio de movimentos recentes das grandes movimentações humanas, as migrações.


As características do desenrolar histórico tomaram vários rumos e as tendências de descrição desses fatores, na maioria das vezes, deixaram a presença feminina na invisibilidade. Porém, as mulheres tiveram papel fundamental e, muitas vezes, primordiais nesses grandes movimentos humanos de deslocamento.


A pesquisadora Lilian Maria Mose, durante palestra no XXV Simpósio Nacional de Fortaleza, no ano de 2009, apresentou a temática “Mulheres de Rondônia: Construção do Feminino a partir da Migração das Décadas de 1970 a 1990”. Também a pesquisadora Maria das Graças Silva, em seu livro “O Espaço Ribeirinho”, traz o capítulo “O trabalho da mulher no corte da seringa”.


Um terceiro trabalho de pesquisa, feito sobre aspectos da presença feminina na formação de Porto Velho, ainda está em fase de finalização e aborda o cenário local no início do século passado, quando da construção da Estrada de Ferro Madeira Mamoré. De acordo com preliminar do estudo, as esposas de barbadianos tiveram atuação exemplar na configuração de um modelo de uma educação único e com resultados surpreendentes.

Dentro de um cenário que apresenta centenas de obras sobre a história de formação porto-velhense, essas pesquisas significam “uma agulha no palheiro”, considerando que esses materiais não estão à disposição do público em geral.


Migração das Décadas de 1970 a 1990 na construção da história de Rondônia



O recente processo de colonização por que passou o estado de Rondônia deixou algumas características singulares. Em pesquisa desenvolvida pela professora Lilian Maria Moser, da Universidade Federal de Rondônia, e apresentada durante Simpósio Nacional de História, em Fortaleza, Ceará, foi tratada a condição feminina, no cenário da ocupação. De acordo com a pesquisadora, “a própria condição feminina está carregada da radicalidade na questão de gênero, em que a sociedade pensa. Ela age e planeja no masculino o imaginário que é expresso na linguagem e delimitada no feminino. Seu valor baseia-se na identificação com o masculino”, explica.


Lilian Moser ressalta também que as mulheres iniciaram o processo de reconstrução local através de suas experiências e memórias, o feminino e sua identidade. Mestre em História pela Universidade Federal de Pernambuco, Moser é doutora em Ciências Sócio Ambiental com desenvolvimento de pesquisa concentrada nos temas de história e memória, cultura e cultura étnica, colonização e migração, gênero e educação. “Nesse processo migratório, em Rondônia, na maioria das vezes, os homens deixavam a família no seu local de origem e “vinham na frente” para dar início ao roçado, construir um barraco e num período de três a seis meses, buscavam a família ou mandavam buscá-la através dos seus parentes ou conhecidos residentes em outros estados brasileiros. Nesse retorno, outras famílias aproveitavam a viagem para conseguir um lote de terra em Rondônia”.


Lilian esclarece também que a mulher, em sua maioria, viajava a Rondônia para encontrar seu marido, alguns meses depois, no período de três a seis meses. Ao deparar-se com a realidade encontrada, em condições precárias, rústicas e sem a infra-estrutura necessária para morar, dificilmente aceitava tal situação. “Porém, não havia possibilidades de retornar ao seu local de origem e também não cabia a ela a decisão de escolher o local, a terra e nem o tipo de plantação”, esclarece a pesquisadora em seu artigo publicado logo após o evento.


MIGRAÇÃO NO BRASIL NA DÉCADA DE 90


De acordo com dados do IBGE, censo/2000, as regiões onde houve maior crescimento populacional na última década foram o Norte do país, as áreas litorâneas, as cidades médias do interior, o Centro-Oeste e o entorno do Distrito Federal. Esse crescimento, que em todos os casos é superior à média nacional, indica novos rumos dos fluxos migratórios dentro do país. Os estados que mais cresceram na década foram Amapá (5,74% a.a.), Roraima (4,57% a.a.), Amazonas (3,43% a.a.), Acre (3,29% a.a.) e Distrito Federal (2,77% a.a.).


O crescimento anual de alguns municípios, durante os anos 90: Buritis (RO), 29,09%; Campo Novo (RO), 23,20%; Sapezal (MT), 21,54%; Palmas (TO), 21,34%; Confresa (MT), 20,84%. É a zona urbana que se expande, ampliam-se as periferias.

Fonte: Migrações Internas: evoluções e desafios (Alfredo José Gonçalves)


Machismo e preconceito entre fatores de inibição feminina



A pesquisadora Solimaria Lima, do campo da linguagem, Universidade Federal de Rondônia, questiona o fato da mulher ter sido sempre colocada em segundo plano no que se refere à memória histórica descrita em nossa literatura, de forma geral. Para ela, o esquecimento a que foi acometida, a mulher, tem algumas explicações que podem estar relacionadas ao interesse de dominação, bem como o machismo e a religiosidade. “Seguindo essa linha da história tradicional, nesse momento histórico de Porto Velho, não foi diferente, ficando assim as mulheres esquecidas. Conhecendo e analisando a história verificamos que a mulher tanto esteve presente como exerceu papel relevante, seja na própria família, seja na sociedade da época. Uma ação importante a ser feita seria o resgate das histórias dessas mulheres, possibilitando a elas o reconhecimento do papel por elas exercido naquele momento da história”, argumenta Solimaria Lima. Para a pesquisadora, a mulher não tem essa invisibilidade histórica apenas em Rondônia. Esse fator está embrenhando em toda a cultura nacional e, principalmente em regiões mais afastadas dos grandes centros do País.


Mulheres se inserem e começam a tomar decisões públicas


Para a pesquisadora Ana Carla da Silva, do campo da Geografia, a mulher vem ganhando espaço e restabelecendo o paradigma de sua constituição no ambiente das expressões culturais regionais. Segundo ela, que desenvolveu, durante alguns anos, investigação científica na região de Nazaré e Boa Vitória, distritos de Porto Velho, a mulher ainda não está à frente das decisões nesses espaços. Mas, aos poucos, vem se inserindo em contextos coletivos e espaços públicos que anteriormente eram visitados apenas pelos homens. Em sua abordagem, tratando das relações sociais de gênero em assentamentos rurais, desde o ano de 2010, Ana Carla diz que tem acompanhado a comunidade, através de festejos, reuniões, dentre outros, buscando compreender como homens e mulheres se organizam, tanto para produção, como no envolvimento em movimentos sociais e políticas públicas. “Interessante compreender como cada um ocupa este espaço. Como a mulher adentra nesse ambiente”, argumenta. A pesquisadora diz ainda que o tradicionalismo, de geração para geração, é uma das travas paa a quebra de mudança comportamental entre homens e mulheres.


Leitores não encontram muitas obras que

falem da figura feminina no cenário da migração



As principais bibliotecas públicas de Porto Velho, algumas internas às escolas da rede de ensino médio do Estado, não têm produções qualificadas ao alcance dos alunos. A maioria dos livros, de acordo com informações dos próprios professores, trazem apenas abordagens superficiais e insuficientes para um conhecimento aprofundado sobre a região. Principalmente, no que diz respeito aos aspectos históricos e de formação cultural. Um dos exemplos é o tema “migração”, que na maioria das obras consta apenas de forma sútil, com poucos capítulos e trazendo a história apenas de algumas famílias tidas como tradicionais.

Entrevistada pelo Diário da Amazônia, a pesquisadora Suzi Shen Cântara Pires argumentou que, no que tange à questão da invisibilidade feminina, nos livros de história regionais, “é lamentável. Isso só afirma o preconceito, ou desvalorização, do tema pela própria sociedade. Pouco ou nada se narra sobre atividades desenvolvidas pelas mulheres que muitas vezes faziam as mesmas atividades realizadas por homens”, comenta.


Livro “o espaço ribeirinho” fala de mulher no seringal


A pesquisadora Maria das Graças Silva fala em seu livro “O Espaço Ribeirinho, sobre um dos momentos mais críticos da presença do migrante na região de Porto Velho. Entre os assuntos que a autora elege como de maior significância, está o tópico “O Trabalho da Mulher no Corte da Seringa”. Segundo ela, em sua obra, o trabalho da mulher no seringal incorpora uma sobrecarga de atividades que vai da coleta do látex e defumações, aos afazeres domésticos, tais como cuidar da casa, família, roça e das criações domésticas. A autora explica ainda que a participação da mulher na sociedade do seringal aconteceu de diversas formas. Uma delas, um tipo de prostituição, onde o próprio seringalista oferece mulheres para acompanhar o seringueiro solteiro nas colocações. Empregada do barracão, tornava-se companheira do seringueiro que não podia maltratá-la. Em caso de maus tratos, a mulher retornava ao barracão aguardando para servir a outro seringueiro.







124 visualizações
NOSSO TELEFONE

(69) 99967-0085

NOSSO EMAIL
NOSSOS HORÁRIOS

Segunda a Sábado, das 08h30 às 19h.

AO LEITOR!

Nossa informação é produzida com responsabilidade e objetiva a credibilidade de nosso leitor.

PROJETO CORRENTZA

A dinâmica de produção de conteúdos da Revista Correntza é pautada na performance de intervenções artísticas e culturais. 

LINHA EDITORIAL

O projeto gráfico da Revista Correntza foi desenvolvido abraçando as novas tendências discursivas e linguagens para canais de mídias eletrônicas.

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Google+ Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon
  • Instagram Social Icon

©  2018  Ondas Nucleicas  |  Criado por  Analton Alves